Notícias

19

jan

Bispos e indígenas brasileiros participarão de encontro com Papa no Peru

Acompanhados de representantes indígenas do estado de Rondônia e da capital Porto Velho, o presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Cláudio Hummes, e o arcebispo de Porto Velho (RO) e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Dom Roque Paloschi, participarão nesta sexta-feira, 19, do encontro do Papa Francisco com o Povos da Amazônia em Puerto Maldonado, no Peru.

Em viagem apostólica pelo país, o Santo Padre dedicará parte da programação para estar na presença dos povos indígenas locais e de países do continente sul-americano. “Ele [Papa] quer se encontrar com os indígenas para garantir que está ao lado deles, que os defende, para que eles se sintam muito certos desta proximidade, porque o Papa quer também que a Igreja esteja muito próxima”, comentou Dom Cláudio.

A atitude do Papa, de ir ao encontro dos povos indígenas, é para o cardeal um ato de quem reconhece a dignidade dos índios. “Ele virá até os índios, ele não apenas esperou que os índios fossem até ele, ele virá até a Amazônia (…). Isso é um reconhecimento muito grande da dignidade dos índios, dos seus direitos, dos seus sonhos, tudo aquilo que os índios esperam que seja respeitado – seus direitos à terra, seus direitos a ter a sua história, ter a sua identidade reconhecida, enfim tantos outros direitos fundamentais que são muito pouco respeitados e promovidos”.

 

Segundo Dom Hummes, o encontro de Francisco com os indígenas tem como propósito trazer uma esperança maior de que os responsáveis dos oito países que compõe a região amazônica estarão mais atentos aos direitos desses povos. “Quando o Papa vem, ele não vem para ser apenas uma manchete no jornal, mas vem com propósitos muito claros de que isso produza frutos no futuro”, comentou.

De acordo com Dom Roque, assim como o Peru, o Brasil traz a marca do preconceito e discriminação contra estes povos, omissão que na opinião do arcebispo de Porto Velho deve ser urgentemente revista. “O Governo não pode se omitir diante do grito de Deus por meio destes povos, (…) e o Papa vem não para dar lições, mas para ouvir de modo especial os povos originários e dar uma palavra de esperança”.

Além dos desdobramentos sociais que trará a visita de Francisco a Puerto Maldonado, no Peru, a iniciativa do Pontífice quer primeiramente, segundo Dom Roque, estabelecer uma conexão, um canal de diálogo entre a Igreja e os povos indígenas. Para o arcebispo, o Santo Padre, com seus atos, pede que a Igreja na Amazônia seja capaz de acolher os sonhos, as esperanças, as lágrimas e os sofrimentos destes habitantes. “A vinda do Papa vem para nos apelar, fazer este apelo para que a Igreja, as Dioceses, as Conferências Episcopais tenham a capacidade de ouvir o grito e a voz dos índios”, concluiu.

Ouvir e acolher: preparação para o Sínodo 2019

O encontro do Papa com o Povos da Amazônia, além de seu valor local, será uma preparação para o Sínodo Pan-amazônica, informou Dom Cláudio. De acordo com o cardeal, o compromisso de Francisco com os povos originários no Peru será uma oportunidade do Santo Padre ouvir os indígenas e se encontrar com os bispos da região amazônica, seja do Brasil ou dos oito países que a compõem.

 

Nesta quinta-feira, 18, os bispos e indígenas nativos do Peru, Brasil, Bolívia e Colômbia se reúnem em preparação ao encontro desta sexta-feira, 19, com o Papa. Amanhã, após esse encontro, haverá uma reunião de preparação para o Sínodo para a região Pan-amazônia, contando com a presença do secretário-geral do Sínodo dos Bispos, Cardeal Lorenzo Baldisseri. “Nós temos esperança de que esse será o ponta pé inicial, mais significativo, desta preparação para o Sínodo”, contou.

 

Um Papa dedicado ao meio ambiente

“É a primeira vez que um Papa tão amplamente e profundamente (…) se ocupou da questão ecológica e climática do mundo”, afirmou Dom Cláudio sobre os esforços do Papa em reverter a crise do clima mundial. Segundo o cardeal, o Papa reconhece o papel fundamental da Amazônia na manutenção, preservação e equilíbrio da natureza e da biodiversidade.

A postura de Francisco ficou visível, de acordo com o cardeal, após o Pontífice elaborar a Encíclica Laudato Si. “Foi algo histórico, porque logo depois se celebrou a COP 21 [Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas realizada em 2015] em Paris, onde se falou exatamente sobre a crise climática, e onde saiu o acordo. O Papa já tinha se antecipado por alguns meses sobre esta questão”, contou.

Os povos indígenas da Amazônia

“No Brasil, na chegada dos colonizadores em 1500, segundo os estudiosos, eram mais de cinco milhões de pessoas que compunham a população indígena, hoje chegamos a um milhão. Isso significa que ao longo dos 500 anos, milhões de indígenas foram dizimados, eliminados e desrespeitados”, contou Dom Roque, que prosseguiu: “O Papa na ‘Laudato Sí’ diz que quando desaparece uma espécie é uma perda, uma tristeza muito grande para o reino animal (…). Imagina quando desaparece um povo, uma etnia”.

A preocupação e o olhar do Papa e da Igreja aos povos indígenas é, para o arcebispo de Porto Velho, uma oportunidade de conscientização de que cada povo tem sua história, espiritualidade e sua riqueza linguística. “Estas pessoas viviam aqui há milhares de anos e ninguém, ninguém mesmo, em nome de nada, tem direito de eliminá-los. E quando digo eliminar, não digo só eliminação física, mas eliminação cultural, espiritual de uma mentalidade mentirosa e preconceituosa que muitas vezes vivemos. (…) O Sínodo caminha de acordo com as opções da Igreja, e a Igreja fez esta opção: os mais pobres entre os pobres. Por isso, a causa que se defende é a vida, dignidade e sonhos destes povos”.

16

fev

16 de fevereiro – Santo Onésimo – Discípulo de São Paulo

Santo Onésimo se converteu e era conhecido como o “coração de São Paulo”
15

fev

15 de fevereiro – São Cláudio de La Colombiere – devoto do Sagrado Coração de Jesus

São Cláudio de La Colombiere mergulhou o seu coração na devoção e pôde ajudar Margarida Maria Alacoque
14

fev

14 de Fevereiro – São Cirilo e São Metódio – Os irmãos missionários

A vontade de amar o povo e a Deus foi o impulso que moveu a evangelização de São Cirilo e São Metódio
13

fev

13 de Fevereiro – São Martiniano – O jovem eremita

São Martiniano foi capaz de converter muitos que o procuravam e ser instrumento de muitos milagres
12

fev

12 de fevereiro – Santa Eulália – Mártir e virgem espanhola

Santa Eulália, teve a coragem de testemunhar o amor a Deus até as últimas consequências
8

fev

Papa aos Jogos Olímpicos de Inverno: que seja grande festa da amizade

Santo Padre deixou hoje saudação ao evento que começa nesta sexta-feira e terá participação conjunta das duas Coreias
8

fev

08 de Fevereiro – Santa Josefina Bakhita – A primeira santa africana

Santa Josefina Bakhita, testemunhou com a própria vida a alegria de servir a Cristo
19

jan

Papa Francisco chega ao Peru

Papa Francisco visitará as cidades de Lima, Trujillo e Puerto Maldonado
Da redação